sexta-feira, 5 de outubro de 2018

[Resenha] Patagônia Babilônia

Título Original: Patagônia Babilônia 
Autor: João Peçanha 
Editora: PVB Editorial 
Número de Págs: 206


Por Letícia Nascimento















Sinopse: 

"Uma tarde lenta escorraça o sol para dentro do pequeno quarto habitado pelo velho, fazendo-o transpirar e manchar os sovacos da camisa de pano de manga comprida que, mesmo no calor, insiste em usar. 
Resenha:
Magro, comprido e portando bermuda e camisa de malha com uma inscrição em idioma a ele estranho, o jovem entra no pequeno quarto, puxa uma cadeira esquecida num canto e senta-se de frente para o velho. Na parede atrás dele há uma velha gravura de um mar muito azul cercado ao fundo por montanhas azuladas com topos brancos de neve. Retira os fones de ouvido, o que permite ao velho escutar ao longe uma dessas canções da moda e, mesmo educando-se para que o outro não perceba, deixar escapar uma expressão descontente."

O que aconteceria se um menor infrator, por determinação da Justiça, fosse condenado à pena alternativa de acompanhar idosos em um asilo público e acabasse conhecendo um velho cego e amargo?
Um mora na Babilônia, comunidade do Rio de Janeiro, e é daqueles que tiveram um destino indesejável em um país desigual. O outro já teve quase tudo. Quase. Amou e abandonou na mesma proporção. Mas ficou um desejo não cumprido até então: conhecer a Patagônia.
Os dois, perdidos e sozinhos numa dimensão que nem a memória dá conta.
Que amizade dali nascerá?
O que é a verdade para aqueles dois personagens?
Esse livro é totalmente diferente do que já li, se me permitem falar, eu demorei muito para fazer essa crítica, para vocês terem noção eu o li três vezes só para entender realmente o que é esse livro.
Ele tem como personagens principais um senhor cego chamado Ernesto que corroído pelos erros no passado, hoje mora num asilo e Joelsson com dois s, um jovem que cumpre uma pena alternativa porque assaltou uma senhora em uma saída de banco .
Não sei se essa resenha vai fazer jus a esse livro porque ele realmente trouxe muitos fatos até mesmo da minha realidade.
Ernesto em sua idade adulta sempre quis ser diferente de seu pai que faltou com a família, mas nessa sede se posso dizer assim ou ânsia de ser diferente cometeu erros piores mais ao mesmo tempo ele não cometeu, vocês lembram que eu disse acima que esse livro é diferente, mas vocês vão entende o porquê.
No inicio eu achei Ernesto totalmente preconceituoso, por ele ter o famoso achismo que muitas pessoas têm sobre o fato de se negro ou se morar na favela foi uma das coisas que mais me deu raiva.
“Ele se sente culpado pelo menino. Deve ser negro, pensa, e logo em seguida novamente culpa-se por ter pintado a pele daquele menino.”
Joelsson é um personagem que me marcou muito porque eu posso dizer que conheço alguns Joelssons na vida real, ele tinha uma sensibilidade tão grande , uma natureza tão humana que me marcou muito, quando Ernesto contava sobre sua vida, suas frustrações como sua obsessão se posso dizer assim em não cometer os mesmos erros do pai e no final acabar cometendo, a perda da sua esposa a cada história que ele contava ao menino se via que marcava  em Joelsson e que ele sentia raiva por aquelas pessoas, raiva por dona Ismênia não ter conseguido alcançar seu sonho de ir à Patagônia, raiva por ela não ter visto seu menino crescer um filho tão desejado, raiva por Flávio não ter tido o apoio o carinho o amor do Pai.
Com o passar da leitura você vai ficando mais angustiado por ser dizer assim e fica se perguntando como uma pessoa pode perder tanta gente e ainda conseguir seguir em frente?E mesmo com raiva de Ernesto no fim acabei meio que entendendo ele, no final ele tinha medo, tanto medo de cometer os erros de seu pai que ficou preso e nunca conseguiu viver realmente, quer dizer ele vivia mais não uma vida que trouxe felicidade.
Joelsson é um personagem que me conquistou desde o início seu amor pela leitura me deixou encantada e ele mostra que por meio de todas as opções que ele tinha as erradas ele escolheu a certa e se uma coisa que posso dizer sobre esse livro é que ele mostra que a leitura ela salva e a educação sim é uma das maiores ferramentas para nossos jovens e para nós mesmos.
Cheio de personagens que vão dando vida a leitura ele mostra o papel de cada um que influencia na construção dos personagens principais como Marcos um rapaz que Joelsson salvou e foi se tornando parte de sua família e que ajudou na recuperação de seu irmão Jofre que tinha esquizofrenia e com o tratamento adequado pode ter uma vida normal e voltar para o convívio  da família.
Joelsson ele teve um papel enorme na vida de Ernesto, contando histórias ao senhor cego eu acho que ele paz a Ernesto que tinha inúmeros arrependimentos com o passado, e da mesma forma Ernesto teve um papel enorme na vida do jovem ele o ouvia eu acho que ele expandia o mundo do
Jovem com suas histórias de vida e incentivando a Joelsson e dando conselhos.
Com certeza esse livro foi um dos melhores que já li, ele tem uma sensibilidade enorme e se hoje alguém me pedisse para recomendar um livro seria esse .
Ele conecta o velho ao novo, ele mostra que nunca é tarde para se arrepender e mudar nossos pensamentos.
Mas como eu disse acima nem tudo é o que se parece e vocês terão uma grande surpresa como eu tive, eu acredito que é por isso eu li esse livro três vezes para entender como tudo isso aconteceu e os motivos do seu Ernesto ter criado toda essa história....., mas eu não mudaria nada nesse livro e fiquei imensamente feliz com o final dos personagens.
Patagônia  Babilônia é um livro que vai fazer você repensar e muito nas suas escolhas, repensar na sua história, na contra capa do livro fala que ele é um processo de descontração para um e formação para o outro quando eu li não entendi muito bem o porque mas, agora entendo e concordo plenamente. Eu poderia falar até amanhã sobre esse livro é ainda acho que essa crítica não faz jus a ele, mais espero realmente que eu tenha passado todo sentimento que tive ao ler esse livro e que vocês tenham a oportunidade de ler porque vale muito a pena.
PS: Só pelas marcas do meu livro da para se ter uma noção o quanto eu o li.

* Livro cedido pela PVB Editorial 

6 comentários:

  1. Tão gostoso quando um livro chega assim,de mansinho e coloca o leitor dentro de sua própria personalidade.
    Joga literalmente ele dentro do enredo, fazendo-o se questionar.
    Não conhecia o livro,mas sinceramente, adorei muito que li acima, ainda mais por ser literatura nacional, que tem e deve ser valorizada o tempo todo, ainda mais quando tem tanta qualidade assim.
    Com certeza, vai para a lista de desejados.
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ... eu fiquei super sensibilizado, pois a Letícia conseguiu captar diversas delicadezas que deixei meio que escondidas no livro. Grande leitora!

      Excluir
  2. O livro para ser tão sensível, nunca tinha ouvido falar do livro, mas gostei da história.

    ResponderExcluir
  3. Fico feliz demais com a resenha e em como vc conseguiu entender esse livro exatamente como eu. Ele eh de uma sensibilidade e ao mesmo tempo de uma força sem igual. Sem duvida, um dos melhores livros que já li. Super recomendo!!

    ResponderExcluir
  4. Obrigado pela resenha super sensível, Letícia. Fico super feliz que a história tenha te tocado tão fundo. Um beijo enorme!

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia esse livro....gostei muito da sua resenha, me emocionei com seus sentimentos com a leitura.
    Com certeza, é mais um que pra lista e vai passar na frente de muitos outros.

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para mim! Me diga o que achou dessa postagem e se quiser que eu visite seu blog, informe o abaixo de sua assinatura ;)