quarta-feira, 24 de abril de 2019

Menina que via Filmes: Atentado ao Hotel Taj Mahal [Crítica]



Título Original: Hotel Mumbai
Título no Brasil: Atentado ao Hotel  Taj Mahal
Data de lançamento 2 de maio de 2019 (2h 05min)
Direção: Anthony Maras
Elenco: Dev Patel, Armie Hammer, Jason Isaacs 
Gênero Drama
Nacionalidades Austrália, Índia, EUA
por Renata Alves
Em 26 de novembro de 2008, Bombaim, capital financeira da Índia, foi tomada por dez atentados terroristas sincronizados. Um dos alvos, o hotel Taj Mahal, levou quase três dias para ser recuperado pelas forças policiais. A responsabilidade dos eventos ainda é duvidosa embora o grupo Deccan Mujahidin tenha assumido a autoria, a mídia atribui o atentado ao grupo Lashkar-e-Taiba. No total, foram 134 mortos e mais de 300 feridos.

O filme relata como o famoso chef Hemant Oberoi, o garçom Arjun e os outros funcionários do hotel se empenharam apesar de suas próprias vida para proteger e salvar as vidas das centenas de hóspedes no hotel, desde políticos, milionários a pessoas comuns.
A filosofia do hotel Taj Mahal é a de que os hóspedes são deus e, por isso, devem ser tratados com o máximo de zelo e dedicação possível. Assim, quando os terroristas invadem o hotel, há um trabalho coletivo da maioria dos funcionário em fazer o possível para proteger os hóspedes. Tanto que dos mortos no hotel, dois terços eram funcionários.
Dentre os vários personagens, além do chef e do garçom, temos em destaque o casal, formado por um americano e uma herdeira indiana, um milionário russo e um casal de turistas. Em cena, Dev Patel e Anupam Kher, estão perfeitos. Porém, não seria justo ignorar as atuações dos outros atores como Nazanin Boniadi, Jason Isaacs e Armie Hammer.

O filme é eletrizante e angustiante quando vc traz ao pensamento o fato de que é baseado em eventos reais. Logo nos primeiros quinze minutos a tensão já toma conta, já começam os primeiros ataques e o ritmo se mantém constante até o final, numa direção competente de Anthony Maras.
É importante perceber que o filme trás para discussão a questão da intolerância religiosa e de como pessoas radicais, sob qualquer aspecto, são danosas ao bem universal. Pessoas matam centenas de outras pessoas carregando a bandeira de um deus e a necessidade de expurgar da terra os infiéis. Infiéis  porque mão seguem o mesmo Deus, os mesmos costume, as mesmas crenças. Infiéis porque são diferentes, é isso se torna motivo mais que justificável para matar o próximo. Não custa fazer o exercício de raciocínio de que, embora isso tenha acontecido na Índia em 2008, poderia ter acontecido em qualquer lugar, em 2019.


*Cabine de imprensa à convite da distribuidora
*Nossos colunistas são voluntários, os textos assinados por eles são originais de suas autorias.



5 comentários:

  1. Um dia lançamentos que mais estou no aguardo para conferir.
    Sou fã do trabalho de Patel e como é a primeira crítica que leio deste filme, já vi que mais uma vez, ele arrasou e claro, os demais também!!!
    A fé que cega não é fé.
    Verei!!

    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia o filme. Vou procurar o trailer, mas fiquei bastante interessada nele.
    Beijos 😊

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Umm! Um filme bem interessante, apesar que não é bem o estilo que gosto de assistir mas me pareceu ser um ótimo filme.

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  4. Renata!
    Gostei muito de saber que o filme é baseado em fatos reais e que o que regia o Hotel era o cuidado com os hóspedes.
    Fiquei imaginando o quanto deve mesmo ser angustiante as tentativas de salvamento e até as mortes.
    Quero assistir.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  5. Nossa, fiquei super curiosa para ver, como disse, aconteceu em 2008, mas temos vários casos desses e poderia estar acontecendo agora tbm, infelizmente

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para mim! Me diga o que achou dessa postagem e se quiser que eu visite seu blog, informe o abaixo de sua assinatura ;)