quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Menina que via Filmes: A Chegada [Crítica]

Título Original:Arrival
Título no Brasil: A Chegada
Baseado na obra de Ted Chiang
Data de lançamento 24 de novembro de 2016 (1h 56min)
Direção: Denis Villeneuve
Elenco: Amy Adams, Jeremy Renner, Forest Whitaker mais
Gênero Ficção científica

Nacionalidade EUA
Ano : 2016












O mais difícil em filmes de ficção científica com extraterrestres é que eles tenham algo de positivo e sentimental. Tirando E.T de Steven Spielberg de 1985, normalmente os Aliens querem invadir nosso planeta para se apoderar de tudo e os bonzinhos somos sempre nós.
A princípio o filme de Denis Villeneuve - diretor canadense que tem em seu currículo filmes como Os Suspeitos- leva a crer que os ETs são uma ameaça, que chegam sem pedir licença e a protagonista Dra. Louise Banks ( Amy Adams) é chamada para ajudar na árdua tarefa de entender o que eles querem dizer, ela uma especialista em linguística terá que conhecer os monstrinhos e entender se de fato são uma ameaça ou não. Mas naves deles já posaram ao redor do planeta e a vida da moça que dava aulas na universidade muda completamente quando o Coronel Weber ( Forest Whitaker) entra em sua sala lhe pedindo ajuda.
Começa aí a emoção do filme, que apesar de as vezes ter o ritmo lento vale a pena focar nos detalhes, eles dirão muito sobre o mistério que existirá.
Há muito flashback de Louise com sua única filha, e o que acontece com elas também.

















E é aí que quando começamos a entender o que de fato acontece na vida dela que o filme vai se encaixando.
Jeremy Renner faz Ian Donnelly, um matemático que ajudará Louise a entender os ETs. Misturando ficção com o drama - vivido pela protagonista- o filme tem o diferencial de não ser mais do mesmo, e da gente finalmente entender porque a relação dela com a filha aparecia tanto durante o filme.
Gostei bastante. 







4 comentários:

  1. Uma história de tirar o folego, estou ansiosa para assistir.
    Amei a crítica
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Raffa!
    Um dos meus estilos favoritos de filmes de ficção é com ETS, pelo simples fato de acreditar que existe mesmo vida em outros planetas...
    Dito isso, gostei de saber que o filme ainda inclui drama sobre a vida pessoal da protagonista e que a visão do filme é diferenciada dos que estamos acostumados a assistir nos filmes do gênero.
    “Natal não são as luzes lá fora, mas a Luz que brilha em seu coração... Feliz Aniversário, Senhor!” (Daniela Raffo)
    Boas Festas!
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de DEZEMBRO ESPECIAL livros + BRINDES e 4 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  3. Eu gosto muito do tema..rs estou terminando uma série sobre Ets(Falling Skies) e confesso, estou apaixonada pelo enredo. Uma espécie de Twd com Ets.
    O filme foi muito divulgado e gostei da brincadeira de mistura drama com ficção. Nem sempre é algo que funciona, pela lentidão com que tudo acaba acontecendo.
    Mas creio que esse tenha dado certo!
    Verei assim que puder!
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Pois é... Eu fiquei sabendo de spoilers sobre a filha dela, e vou ter que esperar uns anos para esquecer e poder ver o filme, se eu ver agora não vou conseguir apreciar o filme como ele merece...
    Que ódio de spoilers >_<

    Beijos :)

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para mim! Me diga o que achou dessa postagem e se quiser que eu visite seu blog, informe o abaixo de sua assinatura ;)