quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Menina que via Filmes: Apenas um Garoto em Nova York [Crítica]

Título Original: The Only Living Boy in New York
Título no Brasil: Apenas um garoto em Nova York
Data de lançamento 7 de dezembro de 2017 (1h 28min)
Direção: Marc Webb
Elenco: Kate Beckinsale, Callum Turner, Jeff Bridges mais
Gênero Drama

Nacionalidade EUA









por Bianca Silveira

Apesar de animada com a presença do eterno James Bond no elenco, a trama   rasa e inconsistente torna Apenas Um Garoto em Nova Iorque um filme fraco que desperdiça a oportunidade de se aprofundar nas questões trazidas pelo jovem protagonista Thomas (Callum Turner).
O recém-saído da adolescência Thomas ainda está se encontrando na vida começa a se apaixonar pela amiga já comprometida Mimi (Kiersey Clemons), entretanto o rapaz permanece preso na temida Friendzone. Seu novo vizinho W.F. Gerald (Jeff Bridges), um senhorzinho aparentando ter bastante experiência de vida passa a lhe dar ótimos conselhos para lidar da melhor maneira com seu conflito amoroso.


Já não bastasse a prisão na Friendzone Thomas descobre que sua mãe está sendo traída pelo seu pai (Pierce Brosnan), dono de uma renomada editora que pula a cerca com Johanna (Kate Beckinsale), uma mulher muito bem resolvida e atraente. Sua mãe passa por um momento de instabilidade psicológica e para evitar maiores sofrimentos para ela o jovem Thomas decide confrontar a amante do pai no intuito de afastá-la e dar fim ao romance extraconjugal. No entanto o garoto não resiste ao charme dela e se envolve com a amante do seu pai.


O filme tem uma história fraca, não se aprofunda muito na trama. O protagonista começa apaixonado pela amiga, depois se envolve com a amante do pai, deixando a paixão pela amiga em segundo plano e praticamente não tocam mais no assunto. Depois de todo o desenrolar da trama, acontece uma reviravolta e uma das informações mais importantes é simplesmente jogada assim, sem nenhum preparo para telespectador, nem dar quase nenhuma informação antes sobre isso. O protagonista é um cara confuso e chega a ser machista quando confronta a amante do pai, diz que ela deve ter dado em cima e o pai não “resistiu”, ele chega ainda a insinuar que ela é prostituta. 


Filme assistido por nossa colunista à convite da Aliança de Blogueiros do RJ. 

* Nossos colunistas são voluntários e não recebem qualquer quantia do blog que não tem fins lucrativos.

* A opinião do filme ou das resenhas pertence ao colaborador que se compromete a enviar uma crítica de sua autoria para ser publicada no blog e divulgada nas demais redes sociais.

3 comentários:

  1. Filme confuso esse, fiquei com medo de assistir na verdade, mas sei lá qualquer dia de bobeira, quem sabe não assisto!? Mas quero deixar uma dica de filme bem legal que leva o nome do personagem aqui deste filme, é o Estranho Thomas, não sei muito bem mais acho que ele é baseado em um livro, o começo é estranho, muito estranho mais depois fica show! Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Oiê!
    Não curto mto o gênero Raffa, por um lado achei interessante viu, quem sabe eu consiga ver com outros olhos, achei um pouquinho confuso tbm...
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Talvez daria uma chance pela Kate Beckinsale, amo a franquia Anjos da Noite.

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para mim! Me diga o que achou dessa postagem e se quiser que eu visite seu blog, informe o abaixo de sua assinatura ;)