terça-feira, 7 de agosto de 2018

Menina que via Filmes: Acrimônia [Crítica]

Título Original:  Acrimony
Título no Brasil: Acrimônia
Data de lançamento 9 de agosto de 2018 (2h 00min)
Direção: Tyler Perry
Elenco: Taraji P. Henson, Danielle Nicolet, Jazmyn Simon mais
Gêneros Drama, Suspense

Nacionalidade EUA








por Cecilia Mouta

Acrimônia é um filme que conta a história de Melinda ( Taraji P.Henson), uma mulher loucamente apaixonada por Robert, um rapaz que ela conhece na faculdade, começa a namorar e depois casa. O problema é que Melinda não é louca só de paixão, ela é louca basicamente de tudo. Logo no começo do filme, já podemos perceber que Melinda tem problemas para controlar sua raiva e esse sentimento leva ela a fazer coisas impulsivas e violentas. Após anos de casada com Robert, que nunca trabalha e ajuda nas despesas da casa, pois está sempre concentrado em conseguir uma oportunidade para vender sua invenção: uma bateria que carrega sozinha; e suspeitando que o marido a estava traindo novamente - como na adolescência - Melinda pede o divórcio. Mas pouco tempo depois do divórcio Robert consegue vender sua bateria, fica milionário e noivo de outra mulher. E Melinda acredita que ele deve muita coisa a ela e quer sua vingança.

O filme é dividido em capítulo, sempre com esses nomes peculiares como o do título para descrevê-los. Além do nome, vem uma explicação, como no dicionário, do que significa aquele nome. Achei essa forma de conduzir a trama bem interessante, pois encaminha o espectador para determinadas expectativas que, no meu caso, foram atendidas. A história também conta com a narração da personagem principal, vivida pela grande atriz Taraji P. Henson, e eu amo filmes com voice over. Mas o mais legal desse artifício escolhido pelo roteirista e diretor Tyler Perry é que, em muitos casos, nós conseguimos ver a diferença de como a personagem encarou a situação e como a situação aconteceu. 
As atuações estavam muito boas e as transições de cenas que saíam do corte seco ficaram ótimas, trazendo dinâmica para a história. O filme ia muito bem com o especator rindo e ficando tenso com as loucuras de Melinda até chegar à cena final e as coisas acontecerem de forma meio tosca. Acho que o orçamento deve ter acabado. O final não compromete a história, mas evita que essa feche com chave de ouro.

Acrimônia é um drama, com algumas pitadas de comédia, que utiliza de arquétipos bem característicos das nossas novelas brasileiras como a mulher barraqueira e o cara malandro que vive às custas da esposa. Mas tem personagens bem construídos, bom enredo e bons atores. Vale a pena conferir essa história nas telonas. 



Nossos colunistas são voluntários e não recebem qualquer quantia do blog que não tem fins lucrativos.

* A opinião do filme ou das resenhas pertence ao colaborador que se compromete a enviar uma crítica de sua autoria para ser publicada no blog e divulgada nas demais redes sociais.


*Cabine de imprensa à convite da distribuidora.




















por Reinaldo Barros

Nada como um título sucinto, que explica exatamente como será o filme do início ao fim. Acrimônia representa um modo de agir indelicado, de pessoa mal-humorada e até mesmo áspera. Além disso também significa uma crítica severa e injusta. Por mais que seja uma palavra com mais de um significado, todos eles definem muito bem Melinda, que é interpretada por Taraji P. Henson, ganhadora do Globo de Ouro de 2016 como Melhor Atriz em Série Dramática pelo seriado Empire e indicada ao Oscar na categoria Melhor Atriz Coadjuvante pelo filme O Curioso Caso de Benjamin Burton em 2008.
Temos no elenco também outro ator premiado. Lyriq Bent ganhou o prêmio de Melhor Ator em Papel Dramático pela Canadian Screen Awards em 2016. Lyriq faz Robert já na fase adulta e salva o personagem. Sim, a diferença é gritante.
O começo e o fim não são lá muito animadores, e o espectador demora um pouco para começar a sentir empatia pela protagonista. Não pela qualidade da atriz e sim pela forma como o filme é conduzido nos primeiros minutos. No final temos o mesmo problema, porém ultrapassando o limite do razoável e mergulhando no grotesco.
Tudo começa com Melinda sendo advertida pelo juiz e aconselhada a buscar ajuda psicológica para o seu temperamento agressivo e altamente destrutivo. Depois disso vamos conhecendo seu passado e entendendo um pouco melhor o que deu origem ao seu estado atual. No começo Melinda está áspera e rancorosa, transpirando ódio e determinação para se vingar daquele que a fez sofrer. No consultório vamos descobrindo seu passado e conhecemos a jovem Melinda (Aijona Alexus), uma garota cheia de energia, que de vez em quando explode, no entanto é amável, muito altruísta e extremamente leal. Seu sofrimento começa quando decide não ouvir o conselho de suas irmãs para tomar cuidado com Robert.
Lembra que falei que o Lyriq salva o personagem? A questão é a atuação sofrível de Antonio Madison (Pense numa atuação tipo Fiuk. Então, é tipo isso). Ele consegue nos fazer ficar com raiva de Robert e enxergar nele um vigarista de plantão, porém a atuação é tão ruim que chega a dar raiva do ator também. Até aí vamos entendendo e lamentando pelo azar de Melinda por estar numa relação, onde ela se sacrifica para sustentar uma pessoa egoísta, que em momento algum retribui. Você deve estar se perguntando, mas e a tal vingança lá do cartaz e da sinopse?
O melhor sempre vem no final.... Olha, até queria, só que não foi bem assim. Após muitos anos Melinda resolve ouvir o conselho de suas irmãs e põe fim ao seu sofrimento, e é aí que o filme dá uma guinada típica de novela mexicana. Ao descobrir que estava equivocada ela tenta se redimir, mas já era tarde demais e a decepção só piora, o que dá origem ao processo de vingança.
Esse filme tinha tudo para contar uma ótima estória de reviravolta, de julgamentos equivocados e tal, nem precisava tirar o ator apático e ruim não, a correção necessária aqui é no roteiro que fez o final ser bizarro, fez com que nos confundíssemos brevemente a respeito do que de fato aconteceu e o que era a visão de Melinda, e conduziu mal o filme como um todo.

6 comentários:

  1. O mesmo filme, com duas opiniões distintas!!! Gostoso demais quando isso acontece, pois aguça na gente, a vontade ver urgente e também a vontade de correr para bem longe.
    O enredo parece bem bacana e diferenciado e mesmo que tenha acabado o dimdim para caprichar no final,eu gostei do que li acima, nas duas opiniões e com certeza, verei o filme sim, assim que for possível!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Pelas duas análises acima, o filme é, no mínimo, polêmico. Acho que deve valer a pena dar uma conferida. 😊

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Adorei a opinião de vcs sobre o filme, tenho interesse em assistir desde que vi o trailer parece ser bom.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Eita Reinaldo!
    Triste quando um enredo tem tudo para dar certo por causa de seu plot, porém não é bem desenvolvido.
    Nossa! Que obssessiva a protagonista, chega a ser doentio.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  5. Com duas críticas tão diferentes, fiquei curiosa para assistir e ver o que vou achar do filme!! Kkkkk

    ResponderExcluir
  6. Eu gosto muito dessa atriz, e acho que verei porque a sinopse me deixou curiosa haha

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para mim! Me diga o que achou dessa postagem e se quiser que eu visite seu blog, informe o abaixo de sua assinatura ;)