domingo, 16 de setembro de 2018

Menina que via Filmes: Salto no Vazio [Crítica]

Título em Original : Salto no Vazio  
Data de Lançamento: 20 de setembro de 2018
Direção: Cavi Borges, Patrícia Niedermeier 
Gênero : Documentário Elenco: Cavi Borges, Patrícia Niedermeier 
Nacionalidade:Brasil 




por Letícia Nascimento


Sinopse:  As memórias da viagem feita pelo casal de artistas Cavi Borges e Patrícia Niedermeier são transformados em um filme ensaio. O cenário é composto por paisagens localizadas no Brasil, Estados Unidos, Alemanha, Síria, França e Hungria, onde é registrado uma série de coreografias e outras performances criadas pelo dois.


“Aonde você quer ir?

Em nenhum lugar sem você 



Esse é um longa que me deixou pensando o dia inteiro sobre ele e escrevendo essa crítica não sei se conseguirei passar toda a mensagem que ele me passou e conseguir falar sobre tudo o que esse filme realmente é.
Intensamente narrativo Salto no Vazio é um longa apaixonante,que mostra o amor cru  e sem reservas  onde duas pessoas não tem medo e nem receio de expressar o que realmente sentem  um pelo outro, ele conta a história de duas pessoas que estão vivendo a realidades extremamente opostas mas ao mesmo tempo estão ligadas seja em pensamento ou por cartas, e uma coisa que me chamou a atenção foi justamente as cartas que porque através delas podia se ver e sentir o amor e a intensidade, a paixão e a saudade dos dois,isso foi uma coisa que me deixou abismada e apaixonada por esse filme e para mim pessoalmente é muito mais do que um longa metragem, ele te deixa de uma forma que não sei explicar, uma pontada no peito querendo que eles dois se reencontrem e que não fosse daquele jeito.
Ela uma cineasta e ele um fotógrafo da guerra na Síria,  mesmo longe um do outro eles se conectam, e podemos ver isso intensamente a cada instante no longa, ela sempre em movimentos dançando com coração e podemos ver que parte dessa dança é mais pelo amor que tem dentro de si e esse amor a conecta com a dança, a cada instante durante a narrativa e por sua divisão de capítulos podemos sentir isso.
Aborda também o outro lado sobre a Guerra na Síria “onde há vida não valia nada”, onde que em um instante você está aqui e no outro não estará mais.

“ Não deixe de me escrever porque eu preciso dessas cartas para sobreviver.”


Totalmente narrativo e apaixonante ele traz questões reais e faz  com que você fique com ele na mente, filmado em seis países( Alemanha, Brasil,Estados Unidos, França,Síria e Hungria ) ele é um filme totalmente apaixonante e viciante com todos os movimentos da cineastas e sua narração que te deixa hipnotizada e não consegue deixar de observar nenhum segundo, sinceramente não sei se essa crítica transmite tudo que senti vendo esse filme, mas espero que vocês realmente o assistam, e mesmo com os acontecimentos se emocionem como eu me emocionei.

Nossos colunistas são voluntários e não recebem qualquer quantia do blog que não tem fins lucrativos.

* A opinião do filme ou das resenhas pertence ao colaborador que se compromete a enviar uma crítica de sua autoria para ser publicada no blog e divulgada nas demais redes sociais.


*Cabine de imprensa à convite da distribuidora

2 comentários:

  1. Puxa, ainda não tinha visto ou ouvido nada a respeito deste filme,mas confesso que já fiquei encantada com o cenário(cenários) acima.
    Deve ser um filme que além de trazer todas estas divagações, traz também cenários fantásticos!!
    Com toda a certeza do mundo, verei!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Raffa achei interessante o longa, não tinha conhecimento dele ainda, fiquei curiosa pra ver.
    Bjs

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para mim! Me diga o que achou dessa postagem e se quiser que eu visite seu blog, informe o abaixo de sua assinatura ;)