quinta-feira, 16 de maio de 2019

Menina que via Filmes: A espiã vermelha [Crítica]


Título Original: Red Joan
Título no Brasil: A espiã vermelha
Data de lançamento 16 de maio de 2019 (1h 42min)
Direção: Trevor Nunn
Elenco: Judi Dench, Sophie Cookson, Stephen Campbell Moore 
Gêneros Espionagem, Drama, Suspense
Nacionalidade Reino Unido
por Renata Alves

“A Espiã Vermelha” é o mais novo filme do diretor inglês  Trevor  Nunn. Baseado em acontecimentos reais, engana-se quem espera que o filme terá a agilidade dos filmes do gênero. 
A história acompanha a jovem Joan, recém ingressa na Universidade de Oxford, que após um interlúdio atípico com a rebelde Sophie, acaba conhecendo e se encantando por um grupo de revolucionários comunistas. Embora compartilhasse algumas ideias, Joan não adere totalmente ao grupo, mas o romance com Leo Galich, primo de Sonia, faz com que sua relação com as ideias comunistas seja conflituosa. É durante esses acontecimentos e as tensões máximas da guerra que Joan consegue um trabalho na Tube Alloys, onde ajudará a desenvolver um projeto de superbomba. E é sobre o tempo de seu trabalho lá  que sera acusada de ser uma traidora da Coroa Britânica já nos anos  80, quando com idade avançada. 

A presença  de Judi Dench é sempre uma apreciação num filme. Seu enorme talento, no entanto, não faz muita diferença aqui. Suas aparições, sempre cortando a linha temporal do passado, acaba tornando o filme cansativo pois desacelera a trama. Sua participação poderia ter se limitado ao início e o fim, talvez. A novata Sophie Cookson foi excelente. Embora não seja seu primeiro filme, ainda traça seu caminho no sentido da afirmação e sua atuação em “A Espiã  Vermelha” mostra que ela tá indo muito bem. Cabe um elogio geral ao elenco, muito bem orientado e trabalhando bem.

Por outro lado, os pontos negativos vão para o roteiro, que tornou o filme até um pouco chato devido aos saltos no tempo e para a direção limitada de Nunn. Sem querer se arriscar, o diretor criou um filme monótono quando deveria ser mais envolvente. Figurino e direção de arte foram muito bem sucedidos, tudo impecavelmente certo.
A história em si é interessante, e vale  a ida ao cinema. Entretanto, não será um filme que marcará ou que servirá de referência. É só mais um filme do gênero, é não é dos mais interessantes.

*Cabine de imprensa à convite da distribuidora
*Nossos colunistas são voluntários, os textos assinados por eles são originais de suas autorias.

3 comentários:

  1. Hum...eu adoro filmes nestes estilo, baseados em fatos reais, que trazem a história por dentro da história.
    Mas parece que houve um pecado neste, em torná-lo meio arrastado e até dando estes perdidos no roteiro.
    Mas mesmo com estes pontinhos negativos, com certeza, verei!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Estava achando até interessante a história, mas deu uma desanimada saber desses cortes no filme que fazem ele ficar mais lento ..

    ResponderExcluir
  3. Eu vi um livro de mesmo nome esses dias. Será que o filme foi baseado nesse livro? Bom, quanto ao filme, se nem a presença da Judi Dench deixou o filme memorável, então realmente não foi tão bem produzido.
    Apesar de não ter animado tanto, pretendo assistir. Gosto de filmes então assisto de tudo para ter minhas próprias conclusões.

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para mim! Me diga o que achou dessa postagem e se quiser que eu visite seu blog, informe o abaixo de sua assinatura ;)