quarta-feira, 3 de julho de 2019

Menina que via Filmes: Homem - Aranha Longe de Casa [Crítica]



Título Original: Spider-Man: Far From Home
Título no Brasil: Homem-Aranha: Longe de Casa
Data de lançamento: 4 de Julho de 2019
Duração: 2h e 9min
Direção: Jon Watts
Elenco: Tom Holland, Zendaya, Jacob Batalon, Samuel L. Jackson, Jake Gyllenhaal, Jon Favreau, Marisa Tomei e Cobie Smulders
País: EUA
Ano: 2019
Gênero: Ação/Aventura/Sci-Fi
#172
por Bernardo Freitas


Na conclusão da 3ª Fase do Universo Cinematográfico Marvel, o Homem-Aranha retorna após os eventos devastadores de Vingadores: Ultimato (2019), introduzindo um ótimo roteiro com explicações de algumas dúvidas que surgiram desde Vingadores: Guerra Infinita (2018), sobre o desaparecimento de metade da população de todo o mundo, e direcionando o universo em direção a sua próxima fase. E o segundo filme solo do super-héroi consegue ser tão bom quanto o primeiro, e um dos melhores filmes de todo o Universo Marvel e de todos os filmes já feitos sobre o super-herói.
Na trama, Peter Parker (Tom Holland) sai de férias com os colegas de classe para uma viagem pela Europa. Ele planeja confessar sua paixão por MJ (Zendaya) quando estiverem em Paris, no topo da Torre Eiffel, mas após o surgimento de quatro monstros elementais pelo mundo, ele é convocado por Nick Fury (Samuel L. Jackson)
para ajudar a prevenir um ataque de dois monstros que irão atacar na Europa. Ele é apresentado à Mysterio (Jake Gyllenhaal), um viajante interdimensional, que teve seu planeta destruído por um dos monstros elementais, e que desde então, procura destruir esses monstros e prevenir a destruição da terra em todas as dimensões possíveis. Mas aos poucos, Peter percebe que há algo errado com os monstros elementais, e as consequências para expor a verdade podem se tornar devastadoras.
Apresentando um arco de desenvolvimento e amadurecimento de Peter Parker, o longa se consagra ao fazer uma representação bem feita do que custa ser um adolescente e um super-herói. Peter precisa conciliar suas duas vidas, e a pressão de seguir o manto deixado por Tony Stark (Robert Downey Jr), de se tornar um herói melhor a cada dia. As dificuldades e inseguranças de um adolescente normal e as dificuldades e desafios de um super-herói se entrelaçam de uma maneira muito bem elaborada, fazendo com que o filme seja um ótimo filme adolescente e um ótimo filme de super-herói.
Através da trilha sonora, a semelhança entre os filmes adolescentes dos anos 80 com o longa é estabelecida, criando uma sensação de nostalgia e identificação ainda maior com o super-herói. É notável a dedicação do diretor Jon Watts com os personagens e a trama. Desde a direção dos atores, a fotografia, a elaboração dos efeitos visuais; todos os aspectos técnicos se completam. A criação do universo virtual explorado em algumas cenas do filme lembra bastante algumas cenas de Homem-Aranha: No Aranhaverso (2018). A intenção de se fazer um dos melhores filmes da Marvel foi bem sucedida. E quanto ao futuro do universo, o longa apresenta duas cenas pós-créditos. E uma dessas cenas é talvez a maior cena pós-créditos que a Marvel já fez. É a mais chocante e a que mais promete alterar o universo cinematográfico. Se prepare. E essa cena ainda conta com uma grande referência ao Homem-Aranha de Tobey Maguire.

Por fim, Homem-Aranha: Longe de Casa é um prato cheio para os fãs do herói e para os fãs da Marvel. Até para quem não é muito chegado em filmes de herói, o carisma de Tom Holland como Peter Parker consegue cair nas graças do público. Sendo avaliado por Stan Lee como a personificação do Peter Parker dos quadrinhos, o ator consegue realmente representar tudo o que o herói é. A grande dúvida apresentada nos trailers do filme se o Homem-Aranha está apto para carregar o manto do Homem de Ferro é respondida. 
O longa consegue levantar o astral do universo depois de Vingadores: Ultimato (2019), e consegue criar expectativas positivas para o futuro do Universo Cinematográfico Marvel. É imperdível.


Cabine de imprensa à convite da distribuidora
*Nossos colunistas são voluntários, os textos assinados por eles são originais de suas autorias.


Confira  a crítica em vídeo da Raffa Fustagno

5 comentários:

  1. Quem nunca suspirou por Peter?? rs Até eu que faço parte do time que não é assim tão fã de filmes com super heróis!
    Mas não há como negar que este filme tem sido aguardado demais, não somente pelos fãs, mas por quem ama cinema de verdade e pelo que li acima, o filme foi um acerto bem gostoso e isso é maravilhoso!!!
    Com certeza, verei!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Bernardo!
    Mais um super filme da Marvel e do Homem-Aranha que vem conquistando mais e mais fãs e apreciadores.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  3. Homem-Aranha não é meu super herói favorito mas gosto dos filmes dele. Bom saber que vem como uma continuação dos acontecimentos de Vingadores Ultimato.
    A Marvel sendo sempre fascinante. Mal posso esperar para poder assistir a esse filme.

    ResponderExcluir
  4. Homem Aranha é meu herói favorito, mas se acredita que ainda não assisti nenhum filme com esse novo ator? Mas vejo todo mundo elogiando, fico curiosa

    ResponderExcluir
  5. Oiii ❤ Estou ansiosa pra assistir esse filme, tenho ouvido coisas muito boas a respeito. Mas, não sei se ainda estou pronta pra assistí-lo já que ainda não me recuperei de Vingadores Ultimato.
    Gosto muito do Tom Holland como Homem aranha, apesar de eu ter assistidos as outras franquias do personagem nenhuma delas tinha me cativado tanto quando a versão de agora.
    Quero ver como será para Peter lidar com o luto, fiquei de coração partido ao ver ele triste no trailer pelo que tinha acontecido em Endgame. Ele realmente tem tido que lidar com coisas demais para alguém tão novo.
    Vai ser ótimo ver Samuel L. Jackson contracenando com o Tom, já que adoro o ator.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para mim! Me diga o que achou dessa postagem e se quiser que eu visite seu blog, informe o abaixo de sua assinatura ;)