domingo, 6 de agosto de 2017

Menina que via Filmes: Dunkirk [Crítica]





















Título Original: Dunkirk
Título no Brasil: Dunkirk
Data de lançamento 27 de julho de 2017 (1h 47min)
Direção: Christopher Nolan
Elenco: Fionn Whitehead, Mark Rylance, Tom Hardy, Kenneth Branagh

Gêneros Guerra, Histórico, Drama
Nacionalidades EUA, França, Reino Unido, Holanda

Sinopse: a Operação Dínamo, mais conhecida como a Evacuação de Dunquerque, soldados aliados da Bélgica, do Império Britânico e da França são rodeados pelo exército alemão e devem ser resgatados durante uma feroz batalha no início da Segunda Guerra Mundial. A história acompanha três momentos distintos: uma hora de confronto no céu, onde o piloto Farrier (Tom Hardy) precisa destruir um avião inimigo, um dia inteiro em alto mar, onde o civil britânico Dawson (Mark Rylance) leva seu barco de passeio para ajudar a resgatar o exército de seu país, e uma semana na praia, onde o jovem soldado Tommy (Fionn Whitehead) busca escapar a qualquer preço. 

 
Sim, coloquei  a sinopse porque não me acho capaz de explicar a vocês que momento exato da guerra foi esse, e assim acho que facilita. Dito isso, eu amo filmes de guerra, já fiz crítica de vários aqui, quando li que esse era um filme incrível, cinco estrelas, para sair da sala aplaudindo de pé me preparei para o melhor filme de guerra dos últimos tempos, comprei ingressos para todos ( pais e marido) e lá fomos nós assistir um filmaço de guerra, certo?
Na minha visão, nem tão filmaço assim. Conheço pouco da carreira de Nolan, o diretor que é comparado com Spielberg, e isso como sabemos não é pouca coisa não.
Ele dirigiu os últimos filmes do Batman, Interstellar, A Origem, é, já vi alguns filmes dele e tirando A Origem de todos esses que citei, gostei de todos eles.  Mas entendam que de forma alguma não é um filme que não tenha gostado e muito menos desaprove o formato do diretor de mostrar a guerra em outro formato. Só não saiu de verdade com o que eu espero de um filme de guerra, talvez porque dessa vez não há heróis, não há quem se destaque, há sim grandes atuações, algumas medianas e um cenário de bombas, tiros, mortes e pouco tempo para chorar por aquele que se foi, é guerra afinal, certo?
Mas o que não funcionou? Bom, nós temos o personagem de Whitehead ( Tommy) que apesar de não querer ser o protagonista o é, tudo porque é ele que se sobressai em meio ao caos, ele que tem ideias mirabolantes de como entrar no último navio retornando à Inglaterra, eles estão na França.  É tudo como se a vida dos outros valesse muito pouco, salve-se quem puder, o clima é de desespero, até mesmo barcos de passeio ingleses foram convocados para salvarem seus conterrâneos, enquanto aviões nazistas  jogam bombas, muitos morrem na ponte que leva a uma esperança.
 Há oscarizados com Mark Rylance no papel de Mr. Dawson, um homem correto que prometeu cumprir seu dever e mesmo com seu filho a bordo e um amigo da família fará  de tudo para chegar em seu destino final. E comandantes frios como o é Kenneth Branagh, esse gênio que adoro faz o papel do Comandante Bolton, não são precisas muitas falas para mostrar a que veio quando se trata dele.
Também temos a visão de um Tom Hardy como o piloto Farrier e sua missão de derrubar um avião inimigo, as imagens dele dentro pilotando são realmente fantásticas.
E para as fãs do Once Direction tem Harry Styles, atuando medianamente em um papel onde o caráter é duvidoso.
É um filme onde faltam heróis, são apenas homens lutando por sua sobrevivência  e quem não viveu a Guerra agindo como aqueles homens que a viveram antes do trauma que é passar por tudo aquilo.
As montagens são ótimas, o som é perfeito, a trilha sonora idem. Mas para o meu gosto ficou faltando o heroísmo que descobri amar por causa desse filme. Não sabia que precisava dele para eu amar um filme do gênero mas Nolan me fez descobrir. Talvez por isso me agrade mais filmes como Até o último homem do que esse.
Assistam e me digam o que acharam.  

 

6 comentários:

  1. Oie!!!

    Eu assisti Dunkirk no final de semana de estreia e eu amei. Ele tem seus erros, claro. O Nolan peca e muito na representatividade, já que a cada 4 soldados um era negro (posso estar errada nos números, não consigo achar a matéria que li) e ele ignorou por completo isso. Vemos alguns de longe no meio da multidão e só.
    O fato de não ter heróis não me incomodou. Acho que o objetivo era passar o desespero a tensão e isso ele conseguiu. O Hans Zimmer e ele trabalham muito bem juntos e a tensão que a trilha sonora causa, ooooo.
    Gostei muito da fotografia e o cuidado com a filmagem das cenas. Pouca coisa é computação gráfica e deu pra perceber isso bastante.
    Maaas eu sou uma fã do Nolan e acho super difícil critica-lo. É algo que to aprendendo!

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Filmes de guerra não é muito minha praia, mas esse quero assistir pois normalmente adoro os filmes do Christopher Nolan e também por causa do Harry Styles, sempre gosto de conferir quando algum famoso resolve se aventurar por outras carreiras, só foi uma pena que o filme não tenha sido tudo isso.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Raffa!
    Acredito que o filme é mais o resgate dos saldados que ficaram encurralados entre dois países em guerra, não sei bem, mas andei lendo por aí, e, acredito que por isso mesmo não há heróis...
    Desejo uma ótima semana!
    “A vida guarda a sabedoria do equilíbrio e nada acontece sem uma razão justa.” (Zíbia Gasparetto)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE AGOSTO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  4. Sempre gostei de filmes que retrata a guerra, e principalmente nesta perspectiva de pessoas estão lutando para sobreviver, e vai além de algo como heroísmo. Pela sua descrição vamos nos deparar uma trama muito bem desenvolvida, com efeitos especiais, uma ótima trilha sonora, e ótimos atores. Assim que tive oportunidade pretendo assistir ao filme.

    Participe do TOP COMENTARISTA de AGOSTO, para participar e concorrer Ao livro "Dois Mundos", o primeiro da série "Tesouros da Tribo de Dana" da escritora Simone O. Marques, publicado numa edição linda pela Butterfly Editora.
    http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi.
    Gosto muito de filmes e séries, mas não curto enredos de guerra. Por isso, dessa vez, deixo passar a dica. Imagino que seja um bom filme, com ótimas interpretações, mas para quem gosta desse estilo.
    Sua crítica está muito bem escrita.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Confesso que não me animei muito em ver este filme, talvez veja algum dia, mas não é prioridade.

    Beijos ^_^

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para mim! Me diga o que achou dessa postagem e se quiser que eu visite seu blog, informe o abaixo de sua assinatura ;)