quinta-feira, 14 de junho de 2018

Menina que via filmes: Canastra Suja [Crítica]

Título Original: Canastra Suja
Data de lançamento 21 de junho de 2018 (2h 00min)
Direção: Caio Sóh
Elenco: Adriana Esteves, Marco Ricca, Bianca Bin mais
Gênero Drama

Nacionalidade Brasil












por Cecilia Mouta

Canastra Suja é um filme que conta a história de uma família que vive no subúrbio do Rio de Janeiro. O pai, Barreto, é alcóolatra e está tentando parar de beber. A mãe, Maria, vive em casa para cuidar da filha deficiente Rita e se sente muito sozinha. Emília, a outra filha, tem um caso de amor com dois caras e Pedro é um jovem problemático com sérios problemas de relacionamento com o pai. No decorrer da história, nós vemos o conflito entre esses personagens aumentarem, já que ninguém se dá bem com ninguém naquela casa, até que o que poderia ser considerado uma tragédia acaba unindo a família.

O filme é dividido em algumas partes, separados pelas cartas do baralho que formam uma canastra, mas eu senti falta de uma ligação maior do título com a história. Ninguém joga baralho no filme. 

No começo, achei a história um pouco arrastada, mas em determinado momento o filme engrena bem. As atuações estão muito boas, de todos os atores, e apesar de algumas falhas no roteiro, a história está bem contada. De tudo, só a direção me incomodou um pouco. Muitos closes em momentos que, para mim, eram impróprios, muita câmera na mão, gerando imagens trêmulas em momentos que também não eram legais. Senti falta também de o problema de alcoolismo do pai ser mais explorado. Em poucos momentos a bebida foi algo discutido na família e sabemos que parar um vício é algo difícil. 
Mas Canastra Suja é um filme que consegue misturar personagens complexos e muito interessantes, momentos de comédia e dramas intensos em uma só história. Quando você percebe, já está envolvido com a trama. É um dos filmes nacionais que vale a pena ver.

Nossos colunistas são voluntários e não recebem qualquer quantia do blog que não tem fins lucrativos.

* A opinião do filme ou das resenhas pertence ao colaborador que se compromete a enviar uma crítica de sua autoria para ser publicada no blog e divulgada nas demais redes sociais.


*Cabine de imprensa à convite da distribuidora.

5 comentários:

  1. Oi, Cecilia.

    Não o conhecia, mas o filme é a realidade de muitas famílias, onde sempre há esses conflitos. E, isso, o torna denso, com uma base.

    ResponderExcluir
  2. Ainda não tinha ouvido e nem lido nada a respeito deste filme,mas mesmo com o título bem estranho, a gente acaba percebendo que o longa tem um enredo bom. Só isso de trazer personagens mais intensos e com conteúdo, já é um bom passo.
    Se tiver oportunidade, quero poder conferir sim.
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Não tinha ouvido falar desse filme, me pareceu interessante, vou tentar ver ^_^

    Beijos :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A análise está muito boa, na minha, opinião, mas o enredo não me despertou o interesse.

      Excluir
  4. Cecília!
    Bom ver que mesmo o filme sendo arrastado no início, ele depois engrena e traz assuntos relevantes.
    Desejo que a semana seja abençoado!
    “Nunca sei se quero descansar porque estou realmente cansada, ou se quero descansar para desistir. “ (Clarice Lispector)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA JUNHO - 5 GANHADORES
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para mim! Me diga o que achou dessa postagem e se quiser que eu visite seu blog, informe o abaixo de sua assinatura ;)